quinta-feira, abril 20, 2017

IMAGINÁRiO #659

José de Matos-Cruz | 16 Maio 2018 | Edição Kafre | Ano XV – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

CREPÚSCULOS
A vertigem mística/lúdica entre as luzes e as trevas, que rendeu os fanáticos americanos dos quadradinhos à sofisticação do imaginário nipónico, lograria uma ambígua recorrência sobre o Japão de 2032. Na cidade de Macropolis, os atropelos à lei e à ordem são demasiado numerosos, para haver tempo de os recensear ou catalogar. O próprio agente da polícia Tedashi Nagawa viu-se forçado a arquivar, na vida pessoal, um crime por resolver. Aliás, o seu quotidiano é um desastre, desafia todas as rotinas, e os colegas mais próximos têm o mau hábito de acabarem mortos. Até que chega, corpórea e deslumbrante, uma inspiração justiceira. Além de todos os ideais, ou das meras contingências humanas… Sob chancela Image Comics, eis Dark Minds (1998) - um clássico da fusão artística/mítica comics e mangà, entretanto convertido em vanguarda, sobre um futuro crepuscular ou virtual. Concebido por Ken Siu-Chong & Pat Lee, para a estilizada ilustração de Omar Dogan, Alvin Lee & Rob Ross, Dark Minds combina a realidade urbana sobre a lei e a ordem, com a saga fantástica de mutantes e ciborgues. IMAG.603

CALENDÁRiO

1941-14JAN2017 - Maria da Conceição Gomes Cabral, aliás Maria Cabral: Actriz portuguesa de cinema e teatro, radicada em Paris, intérprete de O Cerco (1970) - «Por estranho ou esquisito que pareça, não percebo nada de cinema do lado de trás da câmara» (1970).

19JAN2017 - NOS Audiovisuais estreia Silêncio / Silence (2016) de Martin Scorsese; sobre missionários portugueses no Japão do Século XVII, com Andrew Garfield e Liam Neeson. IMAG.27-41-44-61-67-81-85-109-134-217-244-246-400-414-490-639-643

21JAN-09ABR2017 - Em Lisboa, Pavilhão Branco da Galeria Municipal apresenta Prospecto. Princípio, Meio e Ultimação - exposição de André Guedes sobre o trabalho fabril (Covilhã), sendo comissário Juan de Nieves.

27JAN-19MAR2017 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I expõe Humanário - Do Génesis à Percepção Humana de Sílvia Patrício.

VISTORiA

Feliz é o destino da inocente vestal.
Sentir raiva é vingar-se das falhas dos outros em si próprio.
Feliz é a inocente vestal!
Esquecendo o mundo e sendo por ele esquecida.
Brilho eterno de uma mente sem lembranças.
Toda a prece é ouvida, toda graça se alcança.
Alexander Pope


Noite Tropical

Desceu a calma noite irradiante
Sobre a floresta e os vales semeados:
Já ninguém ouve os cantos prolongados
Do negro escravo, estúpido e arquejante.

Dorme a fazenda: – apenas hesitante
A voz do cão, em uivos assustados,
Corta o silêncio, e vai nos descampados
Perder-se como um grito agonizante.

Rompe o luar, ensanguentado e informe,
Brotam fantasmas da savana nua…
E, de repente, um berro desconforme

Parte da mata em que o luar flutua,
E a onça, abrindo a rubra fauce enorme,
Geme na sombra, contemplando a lua.
Guimarães Júnior
- Sonetos e Rimas
(1880)

VISTORiA

Ah, despertar mais uma vez sem sentir as suas garras, por uma vez não ficar só e entregue ao medo! Sentir a respiração feliz do mundo!
Ah, viver mais uma vez!
Annemarie Schwarzenbach
- A Morte Na Pérsia
MEMÓRiA

1845-20MAI1898 - Luís Caetano Guimarães Júnior: Ficcionista e poeta brasileiro - (O coração que bate neste peito) «Quando eu cair, enfim, morto e desfeito, / Quando a hora soar lugubremente / Do repouso final, – tranquilo e crente / Irá sonhar no derradeiro leito». IMAG.503

21MAI1688-1744 - Alexander Pope: Poeta inglês - «É preciso ensinar aos homens como se não ensinasse realmente, / propondo-lhes coisas que não sabem como se as tivessem apenas esquecido». IMAG.468

1931-21MAI2008 - Bartolomeu Vilhena Cid dos Santos, aliás Bartolomeu dos Santos: Pintor português, gravador e professor de artes plásticas - «Levava os alunos ao Museu Britânico, dando-lhes a oportunidade de ver e tocar os originais de Rembrandt, Goya e outros, o que é raro num professor. Era uma pessoa única e um fantástico gravador… O seu trabalho ficará para sempre» (Paula Rego). IMAG.199-357

23MAI1908-1942 - Annemarie Schwarzenbach: Escritora, jornalista e fotógrafa suíça - «É uma personagem com tantas facetas, viajante, fotógrafa, romancista, poeta, que deveria existir nela algo para qualquer pessoa se interessar. Mas há um lado sulfuroso na vida que mascara a obra. O lado homossexual, toxicómano, aquela espécie de beleza andrógina nos retratos» (Dominique Laure Miermont). IMAG.200-394


Illustração Portugueza (1909)
ANTIQUÁRiO


20MAI1898 - Em Lisboa, e integrado nas Comemorações do IV Centenário da Descoberta do Caminho Marítimo para a Índia, é inaugurado o Museu Aquário Vasco da Gama - sob os auspícios e com a presença de El-Rei D. Carlos I, e tendo como principal objectivo a divulgação da vida aquática.

INVENTÁRiO

UMA CIDADE, TEMPO DE CRISE

Em 1969, António da Cunha Telles registou um testemunho essencial de época e de geração: O Cerco, onde se revelou uma emblemática Maria Cabral. Então com 34 anos, e treze filmes já executados, o produtor / argumentista / realizador fundou, expressamente, a empresa Cinenovo, apoiado por «cinco técnicos, cada um deles acumulando várias das funções indispensáveis». Impressionante iniciação, para um autor diplomado em Paris pelo IDHEC / Instituto de Altos Estudos Cinematográficos. Vasco Polido Valente colaborou nos diálogos. Sob um olhar de cinismo e amargura, eis um tempo em Lisboa - entre dilemas, pretextos, artifícios. E uma jovem mulher. Privilégios, tensões, compromissos de classe, em crise social, do tédio à sobrevivência.
Entre os parâmetros de crónica e de documento, O Cerco comporta, pois, referências de tese - cujas implicações se repercutem pelos vectores do sexo e do dinheiro. Lucidez - uma abordagem realista? Inevitavelmente, focar é distorcer - ou diluir problemas, da emigração à guerra colonial. Como se anunciava, «Marta anda perdida na cidade… Acreditando que é uma coisa assim, que se respira ou basta estender a mão».
A rodagem foi iniciada com três mil escudos na carteira, só mais tarde chegando subsídio do Fundo do Cinema Nacional. Exibindo-se gente jovem, com actores revistos, e privilegiando interiores / exteriores naturais. O Cerco estreou no Estúdio, em Outubro de 1970, recebendo o Grande Prémio da Secretaria de Estado da Informação e Turismo / SEIT, que contemplou também a Melhor Fotografia (Acácio de Almeida) e a Melhor Actriz (Maria Cabral). Antes, fora convidado por Henri Langlois, director da Cinemateca Francesa, a participar em manifestação do cinema mundial, que decorreu no Metropolitan Museum de Nova Iorque.

BREVIÁRiO

Presença edita O Eterno Marido de Fiodor Dostoievski / Fiódor Dostoiévski (1821-1881); tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra. IMAG.220-281-297-310-321-377-383-506-519-585-593

Universal edita em CD, sob chancela Decca, Dmitri Shostakovich [1906-1975] / [Alexander] Glazunov [1865-1936]: Violin Concertos por Nicola Benedetti, com Bournemouth Symphony Orchestra, sob a direcção de Kirill Karabits. IMAG.100-266-408-499-526-580

Tinta da China edita A Vida Como Ela É… de Nelson Rodrigues (1912-1980); selecção e prefácio de Abel Barros Baptista. IMAG.304-383

sábado, abril 15, 2017

IMAGINÁRiO #658

José de Matos-Cruz | 08 Maio 2018 | Edição Kafre | Ano XV – Semanal – Fundado em 2004
 
PRONTUÁRiO

PIONEIROS
Um clássico entre os maiores sobre a conquista do Oeste, A Caravana Perdida (1951) converteu-se num dos filmes preferidos de John Ford (1895-1973) - de quem era a história original, adaptada em argumento cinematográfico por Frank Nugent (seu habitual colaborador) e (o próprio filho) Patrick Ford. Tendo assumido a produção com Merian C. Cooper, para Argosy a cargo da RKO, Ford inspirou-se em factos reais, ocorridos por 1849, almejando - como vectores dramáticos/narrativos - a simplicidade e as emoções, numa magistral emergência romântica e optimista. Espíritos rudes, força telúrica. A infinita matriz visionária do cineasta é estilizada pela fotografia de Bert Glennon, em prodigioso preto e branco, tendo por contraponto palpitante a música de Richard Hageman, ainda com recurso aos Sons of the Pioneers. Eis todo o tipo de pessoas, de anos e sexos vários, sob humores e perigos variegados. Como se o próprio coração da América, premente e genuíno, se revelasse pois - numa pulsão latente, intemporal, da natureza humanista com a paisagem arrebatadora. 
IMAG.10-23-35-70-85-112-114-117-132-147-179-186-274-315-381-432-453-463-501-650

CALENDÁRiO

26NOV2016-31JAN2017 - Em Lisboa, Livraria Sá da Costa expõe Estética, Propaganda e Política No Portugal de António Ferro (1895-1956), sendo mentor Paulo Seabra.IMAG.74-115-180-210-223-224-297-327-339-355-436-484-527-562-586-604

1926-02JAN2017 - John Peter Berger, aliás John Berger: Escritor e pintor inglês, ensaísta e poeta, autor televisivo, argumentista de cinema - como Jonas Que Terá 25 Anos No Ano 2000 (1975 - Alain Tanner) - «Ficou como um exemplo modelar do seu gosto romanesco, sempre tocado por um impulso utópico» (João Lopes).

12JAN2017 - Rosa Filmes co-produziu, e estreia A Morte de Luís XIV / La Mort de Louis XIV (2016) de Albert Serra; com Jean-Pierre Léaud e Patrick d’Assunção.

12JAN-18MAR2017 - Em Lisboa, Galeria Filomena Soares apresenta Incêndio - exposição de escultura de Rui Chafes.
IMAG.65-299-364-427-461-500-568-582-612-622-641

14JAN-29ABR2017 - Bedeteca da Amadora expõe Horizonte Azul-Tranquilo - Retrospetiva da Obra de Fernando Relvas. IMAG.4-284-516-521

19JAN-04MAR2017 - Bedeteca da Amadora apresenta Banda Escrita: João Paulo Cotrim - Uma Exposição Em Torno do Trabalho do Argumentista.
IMAG.59-119-121-125-171-224-307-407-418

26JAN-26FEV2017 - Em Lisboa, Fundação Arpad Szènes-Vieira da Silva apresenta O Traço Com Que Firo as Minhas Telas - exposição de pintura e desenho de Moita Macedo, sendo curador Fernando António Baptista Pereira.

28JAN-22ABR2017 - Em Viseu, Biblioteca Municipal Dom Miguel da Silva expõe Luiz Beira: A Paixão Pelas Artes - O Legado a Viseu, em organização com GICAV / Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu.
IMAG.128-183-417-493-570-598-618

COMENTÁRiO
Chet Baker
Foi como um anjo que desceu ao inferno. No início da carreira, encantava as mulheres pela beleza e o canto suave. Vinte anos depois, era um junkie de rosto sulcado, perseguido pela polícia.
Helton Ribeiro

PARLATÓRiO

As minhas obras de ficção científica procedem mais a uma exploração do lado psíquico da assimilação, do poder potencial, do controlo e da projecção, do onírico… De conexão, algo clandestina, com os arquivos do passado e do presente, ou respectivos problemas filosóficos.
Jean Giraud, aliás Moebius

MEMÓRiA

08MAI1938-2012 - Jean Henri Gaston Giraud, aliás Jean Giraud, aliás Gir, aliás Moebius: Autor francês de banda desenhada - «Moebius e Gir correspondem a duas formas de ser que encontramos no nosso íntimo, que em geral coabitam e, no melhor dos casos, se completam; e, no pior, se excluem». 
IMAG.12-16-28-30-60-91-127-221-400-525-546

09MAI1858-1939 - Ricardo de Almeida Jorge, aliás Ricardo Jorge: Escritor e médico português, investigador e higienista, professor e fundador do Instituto Nacional de Saúde - «O estilo de Ricardo Jorge desatrema de tudo que se conhece em oratória parlamentar, em dialéctica académica, em eloquência cívica dos clubes e até em oratória de púlpito.» (Camilo Castelo Branco - Sermões de S. Miguel de Seide).

1787-11MAI1858 - Rodrigo da Fonseca Magalhães: Par do Reino, deputado, Conselheiro e Ministro de Estado - «Nascer entre brutos, viver entre brutos e morrer entre brutos é triste». IMAG.140-504-620

13MAI1938-2005 - Horst Tappe: Fotógrafo alemão, radicado na Suíça (1963) - «Depois de viver na Alemanha de Adenauer, tão pesadamente materialista, sinto-me reviver perto do Lago Léman». IMAG.55

1929-13MAI1988 - Chesney Henry Baker Jr, aliás Chet Baker: Compositor americano, trompetista de jazz, ligado ao movimento cool - «As suas ideias têm uma frescura absoluta, as frases são delicadas e inquietantes, o som é doce e claro» (Laurente Goddet). IMAG.193-209-255

14MAI1848-1926 - Albert Robida: Ilustrador e litógrafo francês, autor de livros como O Século Vinte (1883) e A Vida Eléctrica (1890) - «As suas extrapolações tecnológicas futuristas justapõem-se a uma representação realista do estilo de vida, das crenças e das instituições sociais na perspectiva do Século XIX» (Arthur B. Evans). IMAG.582

14MAI1928-2005 - Fausto Fernando Baptista Lima, aliás Fernando Lima: Coreógrafo e bailarino português, director artístico da companhia Verde Gaio - «Quando comecei, a dança era para mim uma brincadeira, uma maneira de passar o tempo, pois eu estava mais direccionado para fazer uma carreira universitária e ser engenheiro». IMAG.53

1915-14MAI1998 - Francis Albert Sinatra, aliás Frank Sinatra: Cantor e actor americano - «Basicamente, sou a favor de tudo o que me leve através da noite - seja representar, uma série de tranquilizantes ou uma garrafa de Jack Daniels». IMAG.76-178-337-542-552-594-639-648

EPISTOLÁRiO

Ill.mo e Ex.mo Sr.
No momento de receber a participação com que, por ordem de Sua Majestade V. Ex.ª me honra, apesar da opressão que sinto da moléstia que padeço, não posso deixar de imediatamente elevar à augusta presença de Sua Majestade a expressão do meu sincero agradecimento, de que jamais perderei a memória. Mas meu filho Luís do Rego da Fonseca Magalhães, que me iguala em sentimentos de amor e gratidão à Real Pessoa de Sua Majestade, não pôde deixar de proceder, como procedeu, vivendo a rainha a Senhora D. Maria II, de saudosa memória, quando a recusa minha de igual título que Sua Majestade me concedia, ele com decidida mas respeitosa resolução expôs ao duque de Saldanha, primeiro que enquanto seu pai vivesse, ele não tomaria na sociedade uma qualificação superior à dele; segundo, que não reputava os serviços de seu pai, por grandes que fossem, para serem recompensados na pessoa do filho que nenhuns tinha feito ainda.
Estes termos que eu mesmo tive a honra de repetir a Sua Majestade a Rainha a Senhora D. Maria II mereceram a real aprovação daquela esclarecidíssima soberana, o que para mim e para meu filho serviu de maior prova da benevolência de Sua Majestade e do profundo senso de justiça com que ela avaliava os actos dos seus súbditos. Sua Majestade El-Rei o Senhor D. Fernando soube e teve a bondade de aprovar esse procedimento meu e de meu filho.
Rogo a V. Ex.ª a graça de fazer dele sabedor a Sua Majestade El-Rei repetindo na sua augusta presença os mesmos motivos que hoje nos determinam e que decerto hão de merecer a aprovação do mesmo Senhor, a quem desde já protestamos o nosso reconhecimento. Deus guarde, …
Rodrigo da Fonseca
ao Marquês de Loulé, Presidente do Conselho, em 18ABR1858
(recusando para o filho o título de Conde com que El-Rei D. Pedro V
queria agraciá-lo, mercê que também para si nunca aceitara do monarca,
mesmo que pretendesse conceder-lha à força)

BREVIÁRiO

Em As Aventuras de Blake e Mortimer, Edições Asa II lança O Testamento de William S. por Yves Sente & André Juillard, segundo as personagens de Edgar P. Jacobs (1904-1987). IMAG.10-66-119-218-245-281-348-427-451-460-487-507-599-642-Extra

Bertrand edita Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes (1547-1616); tradução de Aquilino Ribeiro (1885-1963).
IMAG.25-38-79-92-103-349-503-559-609-616-628-631-652

Sony Music edita em CD, Fallen Angels de Bob Dylan.
 IMAG.13-24-61-85-115-136-151-187-211-227-233-256-265-290-347-453-503-539-594-645

Afrontamento edita Os Segredos da Censura de César Príncipe.

quarta-feira, abril 05, 2017

IMAGINÁRiO #657

José de Matos-Cruz | 01 Maio 2018 | Edição Kafre | Ano XV – Semanal – Fundado em 2004
 
PRONTUÁRiO

MUTAÇÕES
Ao investigar as nefandas proezas de um tubarão do crime, Sara Pezzini - há oito anos na polícia, e detective do Departamento de Homicídios - encontrou uma luva mística, a Witchblade, que lhe concedeu poder sobre-humano e protecção especial. Desde então, e embora não seja grande fã do sistema punitivo, ela tem usado o artefacto sobrenatural para combater o mal e fazer justiça, na perigosa selva urbana de Nova Iorque. E encontra seres mutantes, horrendos, em sua monstruosa caça justiceira…
Originalmente gerada em 1995, por Top Cow para Image Comics, ilustrada por Michael Turner, sobre a concepção de
Marc Silvestri & David Wohl, e argumento de Brian Haberlin & Christina Z, Witchblade converteu-se num fenómeno sensual e aberrante, entre as heroinas actuais. Com ilustração por Joe Benitez, Dave Finch, Clarence Lansang & Cedric Norton, o escritor Malachy Coney lançou-a num confronto inexorável, mas inebriante, com Jackie Estacado, aliás The Darkness, a tenebrosa criatura de Mark Silvestri, Garth Ennis & David Wohl.
Noutra missão, Michael Turner - com Joe Weems & Jonathan D. Smith - aliou Sara a Lara Croft, arqueóloga multimilionária que explora o universo lúdico e mórbido de Tomb Raider. Um cronista oficial do universo Top Cow, o tortuoso Paul Jenkins precipitou Witchblade, que os oponentes vêem como uma guerreira de armadura medieval, num pacto de sangue e horror - sob grafismo de Clarence Lansang - contra Aliens e Predator. Tudo quando a Big Apple, urbe/berço de Sara, está a ser visitada por bizarros alienígenas, que ali querem depositar a sua ninhadaIMAG.6

CALENDÁRiO

30NOV2016-05FEV2017 - Galeria Municipal do Porto expõe Eyes Wide Open! 100 Anos de Fotografia Leica, sendo curador Hans-Michael Koetzle. IMAG.343

1923-03JAN2017 - Augusto Cassiano Neves Mascarenhas de Andrade Barreto, aliás Mascarenhas Barreto, aliás João da Terra: Escritor português, historiador e investigador, ficcionista e poeta, tradutor, forcado e atleta, autor de fado e de banda desenhada - «…Um grande fadista, um português de talento, um erudito» (Ricardo Ribeiro).

05JAN2017 - NOS Audiovisuais estreia Zeus (2016) de Paulo Filipe Monteiro; com Sinde Filipe e Catarina Luís, sobre as Viagens de Teixeira Gomes. IMAG.6-161-355-524

05JAN2017 - NOS Audiovisuais estreia Cruzeiro Seixas - As Cartas do Rei Artur (2016) de Cláudia Rita Oliveira; sobre a relação entre Cruzeiro Seixas e Mário Cesariny. IMAG.405

11JAN-25FEV2017 - Em Lisboa, Artistas Unidos apresenta, no Teatro da Politécnica, Agora - exposição de pintura de Sérgio Pombo. IMAG.439

13JAN-22MAR2017 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I expõe Roque Gameiro - Uma Família de Artistas. IMAG.197-558-585-602-605-638

COMENTÁRiO


O sofrimento religioso é, ao mesmo tempo, a expressão do sofrimento verdadeiro e um protesto contra o sofrimento real. A religião é o suspiro da criatura aflita, o coração de um mundo sem coração, é o espírito da situação sem espírito. A religião é o ópio do povo. A abolição da religião, como felicidade ilusória, é o que falta para a sua verdadeira felicidade. Pedir para que descartem as ilusões sobre a sua situação, é pedir para que descartem a própria situação que necessita de ilusões. A crítica da religião é, em seu âmago, a crítica desse vale de lágrimas do qual a religião é a auréola. Essa crítica retirou as flores imaginárias das correntes dos homens, não para que ele continue a usar essas correntes sem consolo ou fantasia, mas para que ele possa quebrar essas correntes e, então, colher a flor viva.
Karl Marx
- Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (1844)

VISTORiA

O que é a riqueza, senão a totalidade das necessidades, capacidades, prazeres, potencialidades produtoras, e mais, dos indivíduos, adquirida no intercâmbio universal? O que é, senão o pleno desenvolvimento do controle humano sobre as forças naturais – tanto as suas próprias, quanto as da chamada natureza? O que é, senão a plena elaboração das suas faculdades criadoras, sem outros pressupostos salvo o desenvolvimento histórico precedente, que faz da totalidade deste desenvolvimento – isto é, o desenvolvimento de todos os poderes humanos em si, não medidos por qualquer padrão previamente estabelecido – um fim em si mesmo? O que é a riqueza, senão uma situação em que o homem não se reproduz a si mesmo de uma forma determinada, limitada, mas sim em sua totalidade, desvencilhando-se do passado e integrando-se no movimento absoluto do devir?
Karl Marx
- Grundrisse (1858)

Um livro, uma vez impresso e publicado, torna-se uma individualidade. Com a edição, fica decisivamente separado do seu autor, tal como em parte a criança é afastada dos seus pais.
O livro significa, necessariamente, depois – tanto gramatical, como efectivamente – seja qual for o significado que lhe atribuir este ou aquele leitor.
James Branch Cabell
- A Note On Cabellian Harmonics (1928)

 
MEMÓRiA

02MAI1458-1525 - Leonor de Avis, aliás Rainha D. Leonor: Princesa portuguesa, casada com El-Rei D. João II (1481) - «A mais Perfeita Rainha que nasceu no reino de Portugal» (Frei Jorge de São Paulo). IMAG.26-54

05MAI1818-1883 - Karl Heinrich Marx, aliás Karl Marx: Intelectual e revolucionário alemão - «Os homens fazem a sua própria história, mas não a fazem como querem, não a fazem sob circunstâncias de sua escolha, e sim sob aquelas com que se defrontam directamente, legadas e transmitidas pelo passado.» (Brumário Dezoito de Louis Bonaparte).IMAG.148-177-294-361-410-525

1879-05MAI1958 - James Branch Cabell: Escritor americano, criador fantástico, autor de Jurgen (1919) - «As pessoas casam-se por uma série de razões diversas, e com variáveis resultados. Mas, casar por amor, é atrair uma tragédia inevitável.» (The Cream of the Jest).

07MAI1928-2016 - Vicente Maria do Carmo de Noronha da Câmara, aliás D. Vicente da Câmara: Fadista português, intérprete e autor, distinguido com o Prémio Amália Rodrigues/Carreira (2013) - «Tinha um gosto muito grande pelo repertório clássico do fado, aqueles fados estróficos castiços, que entretanto foram passando um pouco de moda, e que ele continuou a cultivar com uma galhardia e com uma graça muito grandes» (Rui Vieira Nery). IMAG.624


GALERiA

Roque Gameiro - Uma Família de Artistas

Alfredo Roque Gameiro (1864-1935), um dos mais importantes aguarelistas portugueses, foi também o patriarca de uma extensa família de artistas plásticos. A presente exposição centra-se nas duas primeiras gerações da chamada tribo dos pincéis: Alfredo Roque Gameiro, seus 5 filhos, e 2 genros casados com as filhas mais novas.
A mostra desenvolve-se em torno de 4 secções: Retratos de Família reflecte o carácter de uma família em que desenhar e pintar era tão natural como comer e conversar. Aguarela: O Mar e a Orla Costeira corresponde a um dos temas por que Alfredo Roque Gameiro é melhor conhecido: as aguarelas marinhas. Aguarela: Interiores e Exteriores mostra como a aguarela foi o germe por que os restantes familiares se iniciaram na pintura; e constitui uma excelente oportunidade para contrastar estilos e aproximações. Finalmente, Um Pouco de Tudo ilustra a extensão do trabalho artístico de filhos e genros: pintura a óleo e têmpera, ilustrações pequenas e painéis gigantes, escultura e cinema, e muito mais.
Além de Alfredo Roque Gameiro, incluem-se Raquel Roque Gameiro (1889-1970), Manuel Roque Gameiro (1892-1944), Helena Roque Gameiro (1895-1986), Màmía Roque Gameiro (1901-1996), Ruy Roque Gameiro (1906-1935), José Leitão Barros (1896-1967) e Jaime Martins Barata (1899-1970).

BREVIÁRiO

Livros do Brasil edita Retrato de Artista Enquanto Jovem Cão de Dylan Thomas (1914-1953); tradução de José Lima. IMAG.442-488

Relógio D’Água edita Orlando de Virginia Woolf (1882-1941); posfácio de Peter Ackroyd.
 IMAG.51-99-220-315-316-328-356-439-483-581-608

Universal edita em CD, sob chancela Verve, Jazz At the Philharmonic: The Ella Fitzgerald [1917-1996] Set. IMAG.460-566-608

quinta-feira, março 30, 2017

IMAGINÁRiO #656

José de Matos-Cruz | 24 Abril 2018 | Edição Kafre | Ano XV – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO

MOTIVAÇÕES
Após uma sensacional estreia com O Mundo a Seus Pés (1941), para a RKO, Orson Welles (1915-1985) reassumiu-se como cineasta, expondo O Quarto Mandamento (1942). Era a transposição duma novela de Booth Tarkington, The Magnificent Ambersons (1918), distinguida com o Prémio Pulitzer e, previamente, filmada como Pampered Youth (1925) pela Vitagraph. Segundo Welles, havia «aspectos edipianos» nesta escolha, pois Tarkington ter-se-ia inspirado em seu pai, para personagem de Eugene Morgan, o inventor de automóveis. Coube a Joseph Cotten, actor do Mercury Theatre na rádio CBS - onde, pela primeira vez, Welles encenou The Magnificent Ambersons em emissão de 1939. E foi através da Mercury que Welles produziu O Quarto Mandamento para a RKO, tendo escrito o argumento em apenas nove dias. A evocação melancólica duma família aristocrática de Indianápolis, Midwest, através de duas gerações e em um quarto de século em viragem. Aí estariam as marcas dramáticas da relação de Welles com a mãe, dominadora e afinal ausente ainda em criança. Com irónico despojamento, o realizador comentou, certa vez, que uma obra artística só se revelaria, «conhecendo o homem por detrás do criador». Ora, se Citizen Kane transfigurava os mistérios da infância, The Magnificent Ambersons assombra as cintilações de um tempo perdido. IMAG.33-44-120-186-188-231-238-243-266-272-326-332-333-373-397-424-468-513

CALENDÁRiO

1963-25DEZ2016 - Georgios Kyriacos Panayiotou, aliás George Michael: Músico britânico, compositor e cantor, membro dos Wham! - «A alma mais amável e generosa de um artista brilhante» (Elton John). 
 
21OUT1956-27DEZ2016 - Carrie Frances Fisher, aliás Carrie Fisher: Actriz e escritora americana, intérprete de Princesa Leia na saga Star Wars, filha de Debbie Reynolds e Eddie Fisher - «Nasci no meio das grandes celebridades… As coisas só podiam ir ficando mais pequenas».

1932-28DEZ2016 - Mary Frances Reynolds, aliás Debbie Reynolds: Actriz americana, intérprete de Serenata à Chuva / Singin’ In the Rain (1952), mãe de Carrie Fisher - «…A sua imagem de marca: uma figura ingénua, ma non troppo, com dotes de cantora e uma dimensão romântica salpicada de humor» (João Lopes).

29DEZ2016 - Leopardo Filmes produziu, e estreia Até Nunca / À Jamais (2016) de Benoît Jacquot; com Mathieu Amalric e Julia Roy. 
 
COMENTÁRiO
 
João de Deus Ramos
Lançou as bases da Escola Nacional Moderna, onde se praticam três grandes virtudes: a liberdade, o civismo e a solidariedade.
João de Barros
PARLATÓRiO

«Os meus únicos problemas têm sido com os americanos que, no princípio, se recusavam a acreditar que eu tinha crescido desde os meus primeiros filmes… Algumas pessoas estão presas à imagem daquela menina. Mas, ela não sou eu. Não devemos viver no passado. A minha vida é agora!
Shirley Temple

TRAJECTÓRiA

ANTÓNIO LOPES RIBEIRO
Ao longo de quarenta e cinco anos, entre 1928 e 1974, António Lopes Ribeiro desenvolveu uma das carreiras mais vincadas e diversificadas do cinema em Portugal. Ocupou-se de todas as áreas: foi argumentista, planificador, dialoguista; fez produção, realização, montagem e locução; incumbiu-se da distribuição e da exibição; presidiu a organismos sindicais e patronais; teve empenho em laboratórios e estúdios; esteve ligado a determinantes revisões de legislação; fundou e dirigiu revistas de cinema, escreveu livros, fez conferências; participou em viagens de estudo, organizou manifestações, foi crítico e cronista da especialidade. Como realizador, Lopes Ribeiro explorou todos os géneros: a reportagem e as actualidades, o documentário nas suas múltiplas características e metragens, além do filme de fundo – em nove títulos que se repartem entre 1929 e 1959, os quatro últimos extraídos de prestigiadas obras literárias. Isto, sem referir outros âmbitos de actividade artística e distintos meios de comunicação, onde também frequentemente divulgou o cinema – como a rádio e a televisão. Pode assim concluir-se que, por meio século, a actividade cinematográfica entre nós esteve sempre, de qualquer modo, influenciada ou inserida nos projectos e sucessos deste autor inquieto e multifacetado. A filmografia de António Lopes Ribeiro, reflectindo como nenhuma outra as transformações sociais, políticas e culturais do país, em sua época e alcance, constitui um repositório valioso – enquanto testemunho – para a compreensão dos mecanismos ideológicos e das motivações propagandísticas do Estado Novo, em que historicamente se enquadra. Além do amplo e variado espólio recolhido durante a Missão Cinegráfica às Colónias de África em 1938, e de ter dirigido os quinzenários/semanários Jornal Português (1938-1951) e Imagens de Portugal (1953-1958), através da empresa de produção/distribuição Sociedade Portuguesa de Actualidades Cinematográficas / SPAC, Lopes Ribeiro coordenou ou realizou dezenas de documentários – desde clássicos como A Exposição do Mundo Português (1941), Inauguração do Estádio Nacional (1944), O Cortejo Histórico de Lisboa (1947) ou 14 Anos de Política do Espírito (1948), a inúmeras visitas e estadias de individualidades entre 1939 e 1971. Também importante, é a série que coligiu em 1959-1960 sobre temas artísticos variados, cobrindo a maior parte do país; destacam-se ainda, nas vertentes coreográfica e cénica, os seus documentários Nazaré – Bailados Verde-Gaio (1959) e Gil Vicente e o Seu Teatro (1966). Quanto às longas metragens de ficção realizadas ou produzidas por António Lopes Ribeiro, durante os trinta anos entre 1929 e 1959, trata-se de um manancial fecundo, a desvendar privilegiado, e fundamental para redescobrir a centenária aventura do cinema português.

MEMÓRiA

16ABR1908-1995 - António Filipe Lopes Ribeiro, aliás António Lopes Ribeiro: Realizador e produtor do cinema português, poeta, ficcionista e dramaturgo - «Lisboa é a mais linda, a mais fotogénica de todas as cidades do mundo. Conheço muitas, amo muitas. Mas nenhuma, podem crer, por pior que digamos dela quando nos arrelia e nos desola, lhe chega aos calcanhares. Os operadores de cinema têm em Lisboa um verdadeiro paraíso. As casas não têm aquela escura cor que tanto entristece as grandes metrópoles estrangeiras. E marinham decididamente pelas encostas, em vez de se estenderem num plaino sensaborão, que limita todas as perspectivas» (1947).
IMAG.1-27-31-48-74-76-94-115-130-131-164-166-175-189-210-221-224-227-229-256-297-307-317-328-335-339-345-347-355-412-436-457-458-501-511-527-572-574-606-639

23ABR1928-2014 - Shirley Jane, aliás Shirley Temple: Actriz americana, diplomata e embaixadora, distinguida com um Oscar especial em 1935 - «Tenho um conselho para todos os que ambicionarem receber um prémio de carreira: comecem cedo!» (2006). IMAG.502

26ABR1798-1863 - Ferdinand Victor Eugène Delacroix, aliás Eugène Delacroix: Pintor francês do romantismo - «Há duas coisas que a experiência deve ensinar: a primeira é que se torna indispensável corrigir muito; a segunda é que se não deve corrigir de mais… Nem sempre a pintura precisa de um tema». IMAG.176

26ABR1878-1953 - João de Deus Ramos: Escritor e pedagogo português, filho de João de Deus, coordenador de Prosódia Portuguesa - Estudo Prévio da Ortografia e de O Guia da Cartilha Maternal: Prático e Teórico, Ministro da Instrução Pública (1920) e do Trabalho (1925), fundador da rede de escolas infantis Jardins Escola João de Deus. IMAG.442

BREVIÁRiO


Câmara Municipal de Silves edita A História de Silves Em BD de José Garcês. IMAG.24-70-78-117-129-149-226-251-256-258-265-321-361-374-416-430-598-627-648-Extra

Relógio D’Água edita Escola de Náufragos de Jaime Rocha.

Sistema Solar edita A Maçã de Cézanne… E Eu de D.H. Lawrence (1885-1930); tradução de Aníbal Fernandes. IMAG.50-58-280-401-530-593

Livros do Brasil edita Viagens Com o Charley de John Steinbeck (1902-1968); tradução de Sousa Victorino. IMAG.35-360-635

EXTRAORDINÁRiO

OS SOBRENATURAIS - Folhetim Aperiódico

MAL TORNA AO CRIADOR QUEM, SUJEITO, SE REFAZ - 7

Joel Crespo seria espoliado dos seus galões patentes por denúncia do irmão mais novo, Geraldes, entrando na Polícia Política, com um zelo grotesco que o tornou mesmo ameaçado de sanções disciplinares. Ofélia Toledo consumiu-se desprezada em sua forma física e, no caos íntimo, desejou tudo e todos, acabando por desaparecer de vez num rasto de perfume barato.
Continua