quinta-feira, fevereiro 25, 2016

IMAGINÁRiO #598

José de Matos-Cruz | 08 Fevereiro 2017 | Edição Kafre | Ano XIV – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO
 
TRIBUTO
As iniciativas dedicadas aos quadradinhos evidenciam, e consagram, um investimento renovado, sugestivo, além de um prestigiante interesse por esta expressão artística. Tal motiva outros fenómenos de apelo e aliciamento - para além do culto ou nostalgia; e suscita manifestações pontuais - determinantes para o estudo ou a reavaliação das obras, dos seus criadores ou respectivas envolvências.
Em 2015, e em paralelo à exposição Viriato Na Banda Desenhada, comissariada por Luiz Beira, prestou-se uma justa homenagem em Viseu a mestre José Garcês, com a atribuição do Prémio Especial Anim’arte BD (Carreira), conferido pelo GICAV/Grupo de Intervenção e Criatividade Artística de Viseu. Muito a propósito, o GICAV procedeu ainda à reedição, com a Câmara Municipal de Viseu, do precioso clássico Viriato - com história e desenhos de José Garcês, originalmente apresentado no Cavaleiro Andante (1952-53). Um trabalho minucioso e fascinante, agora realçado com paginação e tratamento de imagens por Carlos Rico, e que testemunha a intemporal vitalidade da banda desenhada em Portugal.
Pela oportunidade, assinala-se de um depoimento que, anos atrás, nos foi concedido por José Garcês: «O autor de banda desenhada procura transmitir, para o público em geral, uma mensagem visual apoiada num texto, e essa mensagem não terá de ser igual para um adulto ou uma criança com menos de dez anos… Mas, se o conseguir, melhor para todos!».
IMAG.24-70-78-117-129-149-226-251-256-258-265-321-361-374-416-430

CALENDÁRiO
 
¢20NOV2015-22FEV2016 - Em Lisboa, Centro de Arte Moderna José Azeredo Perdigão apresenta Hein Semke [1899-1995] - Um Alemão Em Lisboa - exposição de artes plásticas. IMAG.54

11DEZ2015-17ABR2016 - Em Lisboa, Museu do Design e da Moda/MUDE expõe José Espinho [1915-1973] - Vida e Obra, sendo curadora Graça Pedroso.

¢18DEZ2015-21FEV2016 - Em Lisboa, Fundação EDP expõe, no Museu da Electricidade, Álvaro Lapa [1939-2006] - Alguns Desenhos e Pinturas, sendo curador João Pinharanda. IMAG.20-21-81

¯1927-19DEZ2015 - Kurt Masur: Maestro alemão, radicado nos EUA - «Será lembrado, sobretudo, pela sua profunda crença na música como expressão de humanismo» (Matthew VanBesien). IMAG.245

¸24DEZ2015 - Big Picture estreia Amor Impossível de António-Pedro Vasconcelos; com Victoria Guerra e José Mata. IMAG.3-10-158-177-204-223-236-288-453-533
                    
COMENTÁRiO
 
¨É verdade que não poderemos encontrar a pedra filosofal, mas é bom que ela seja procurada; ao partir em sua busca, descobrimos muitos e importantes segredos que, de outro modo, ficariam por revelar.
Bernard de Fontenelle
 
VISTORiA

Os Sonhos
¨Sonhar, quando estamos a dormir, é voar, colorir mais o nosso mundo. De certa forma, é seguirmos – tal como vos tenho dito inúmeras vezes – o nosso arco-íris e o nosso girassol! Assim percorremos outros mundos até então completamente desconhecidos, mas que, no fundo, acho eu, moravam na nossa mente: são fragmentos do nosso coração e da nossa alma. São mundos imaginários que têm talvez outras paisagens, outra cor, outro ar, outro cheiro, outras formas. São mundos virados de pernas para o ar!
Rita Bulhosa (excerto)
- Aos Olhos da Rita

VISTORiA

¨A terra coberta de erva sobre a qual estava construída a sua cabana estendia-se ao longe, penetrando num grande lago, e parecia que essa língua de terra tivesse penetrado por amor nas águas de um azul cristalino, e que essas mesmas águas haviam acolhido com os braços enamorados a bonita várzea, as suas altas ervas batidas pelo vento e as suas flores, tal como as refrescantes sombras das árvores.
La Motte-Fouqué
- Ondina (1811 - excerto)

Gota de Água
¨Eu, quando choro,
não choro eu.
Chora aquilo que nos homens
em todo o tempo sofreu.
As lágrimas são as minhas
mas o choro não é meu.
António Gedeão

MEMÓRiA
 
¨ 08FEV1577-1640 - Robert Burton: Académico inglês e clérigo da Universidade de Oxford, autor de A Anatomia da Melancolia (1631) - «estuda as causas do fenómeno: ociosidades e estudos intensos, o enamoramento ou a religiosidade rigorista, a hereditariedade, as dietas e as perturbações do sono» (Pedro Mexia) - «Cada religião é tão verdadeira como qualquer outra». IMAG.502
 
¨ 11FEV1657-09JAN1757 - Bernard Le Bovier de Fontenelle, aliás Bernard de Fontenelle: Escritor francês, autor de Conversações Sobre a Pluralidade dos Mundos (1668) - «Um dos precursores de um registo imaginativo na descrição de outros lugares do universo, que assim antecipa a literatura de ficção científica» (Diário de Notícias).
 
¨ 12FEV1777-1843 - Friedrich de La Motte-Fouqué: Escritor alemão, de pseudónimo Pellegrin e A.L.T. Frank - «Despimo-la e, deitada bem quente na cama, demos-lhe bebidas reconfortantes. A tudo isto ela nada disse, embora nos sorrisse, olhando-nos com os seus belos olhos de um azul celeste, límpidos como as ondas do lago.» (Ondina). IMAG.384-403

¨ 1865-17FEV1947 - Matthew Phipps Shiell, aliás M.P. Shiel: Escritor britânico, originário das Índias Ocidentais, autor de A Nuvem Púrpura (1901) - «O estilo é voluptuoso, cheio de cintilações macabras. A ordem moral desaparecida, da culpa e expiação, ainda não foi substituída por uma nova ética humana, assente no amor» (José Guardado Moreira). IMAG.363-523
 
¨ 1906-19FEV997 - Rómulo de Carvalho, professor, aliás António Gedeão, poeta português: «Eu sei que a Humanidade é mais gente do que eu, / sei que o Mundo é maior do que o bairro onde habito». IMAG.82-123-355-505-588

GALERi

José Espinho – Vida e Obra
Um dos pioneiros do design português, José Espinho (1915-1973) ainda hoje é quase desconhecido do grande público. A sua vasta obra vai da arquitetura de interiores ao design de produto, passando pelos design efémero, design expositivo, design gráfico, pela edição e pela ilustração.
Em exibição no MUDE - Museu do Design e da Moda estão cerca de 90 peças de mobiliário, e uma vasta documentação iconográfica que dá a conhecer vários espaços interiores em que o designer interveio, nomeadamente o Teatro Micaelense, o Cine-Teatro Monumental, a Cervejaria Solmar, o Hotel Mundial, o Hotel Tivoli, o Hotel Estoril-Sol, o Casino Estoril, o Hotel Alvor e o Hotel Trópico Luanda, na sua grande maioria desvirtuados ou demolidos.
Para conhecer o homem por detrás da obra, a mostra inclui também alguns objectos pessoais que testemunham o gosto de José Espinho pela pintura, o seu talento para o desenho, o sentido de humor e o interesse pela fotografia e pela música.
O mobiliário, produzido em colaboração com várias empresas, particularmente com os Móveis Olaio, onde foi consultor de Estética Industrial, é apresentado numa sequência cronológica e em três momentos principais: neo-rústico, moderno e estética industrial.
                 
BREVIÁRiO

¨ Guerra & Paz edita, com Clube do Livro e SIC, Aos Olhos da Rita de Rita Bulhosa; prefácio de Valter Hugo Mãe, outros textos de Francisco José Viegas, Mário Augusto e Diogo Mainardi. www.aosolhosdarita.pt

¨Dom Quixote edita O Último Europeu - 2284 de Miguel Real. IMAG.237-318-352-507-546

¯Universal edita em CD, sob chancela Deutsche Grammophon, Piano Duos por Martha Argerich e Daniel Barenboim. IMAG.202-301-314-390-440

¨A Esfera dos Livros edita Viver e Morrer Nos Cárceres do Santo Ofício de Isabel Drumond Braga. IMAG.29-34-49-51-139-147-162-183-297-314-321-323-417-428-436-485-491-509-553


sexta-feira, fevereiro 19, 2016

IMAGINÁRiO #597

José de Matos-Cruz | 01 Fevereiro 2017 | Edição Kafre | Ano XIV – Semanal – Fundado em 2004

PRONTUÁRiO
 
SURREALISMO
O intenso e aliciante labor de Maria Estela Guedes, como escritora e investigadora, logra uma expressiva notoriedade através dos Cadernos Surrealistas Sempre - colecção de que é directora, sob chancela editorial de Apenas Livros. Em perspectiva, «juntar trabalhos sobre o Surrealismo e criação pura de surrealistas que retratem essa tão pujante, poética, divertida, desconcertante e maldizente arte que foi a mais importante contribuição da modernidade para a cultura europeia do século XX e no nosso país constituiu terreno fértil para o desenvolvimento de artistas que não só deram poderes à imaginação como tornaram a liberdade poética uma prática de contestação política». Ao número 3, Maria Estela Guedes assume também a autoria de Surrealismo ‘Incertae Sedis’ - em que reúne «comunicações, conferências, textos publicados n' A Ideia, na Incomunidade e no TriploV, de análise semântica, sobre Manuel de Castro, Herberto Helder, Luiz Pacheco, José Emílio-Nelson, Luís Filipe Coelho, Nicolau Saião e João César Monteiro - e eu pergunto, esperando que alguém responda: então não há mulheres no Surrealismo? Teremos de as desencantar, não me conformo com a sua ausência». Eis um desafio pleno de expectativas… IMAG.345


MEMÓRiA
 
¯01FEV1907-1993 - Mozart Camargo Guarnieri: Compositor e maestro brasileiro - «Personalidade original, que vivencia a problemática envolvida pela estética nacionalista através da sua própria experiência e sensibilidade» (P.Q.P. Bach/Sul21). IMAG.494
 
¨ 01FEV1937-1995 - Fernando Santiago Mendes de Assis Pacheco, aliás Fernando Assis Pacheco: Jornalista, poeta e ficcionista português, autor de Trabalhos e Paixões de Benito Prada (1993) - «como discursa uma alma enlevada / se a retórica foi bem explicada / por culto e sólido professor». IMAG. 117-190-317-416-539-549
 
¨ 02FEV1847-1921 - Maria Amália Vaz de Carvalho: Escritora e pedagoga portuguesa - «A mulher é um poder, é preciso aproveitá-la na obra comum da civilização». IMAG.91-352-334
                        
CALENDÁRiO

¢15NOV2015-28FEV2016 - Em Lisboa, Torreão Nascente da Cordoaria Nacional apresenta Canal Caveira - exposição colectiva de escultura de António Bolota, Bruno Cidra, Gonçalo Barreiros e Gonçalo Sena.

¢10DEZ2015-11JAN2016 - Em Lisboa, Museu Nacional de História Natural e da Ciência / MUHNAC apresenta, na Sala do Veado, Quarto Escuro - exposição de pintura de Adriana Molder. IMAG.416

¢10DEZ2015-17JAN2016 - Em Oeiras, Centro Cultural Palácio do Egipto apresenta Fading - exposição de pintura de Paiva Raposo.
 
¢17DEZ2015-24ABR2016 - Em Cascais, Casa das Histórias Paula Rego expõe Caçadora Furtiva de Paula Rego, sendo curadora Catarina Alfaro. IMAG.11-13-31-199-205-258-269-325-342-351-357-364-370-399-416-464-486-489-515-545-596

µ18DEZ2015-18ABR2016 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I apresenta Obras-Primas - exposição de fotografia de Nicolás Muller (1913-2000).
     
VISTORiA
 
Giga das Fogueiras

¨Embora me escutasses nada saberás de mim
e fosses à janela
e embora olhasses não me vês que passo
e digas um adeus pequeno
e embora às vezes já sentisses náusea
e afinal te inclinas
e embora seca embora secamente
e finjo que não ligo
e embora as baças ténues luzes das
e eu por timidez sempre apagado
e embora as marés-vivas batendo
e amámos nisso o Verão
e embora lerda a caneta se apure
e tu não entendesses nada
não entendesses nada
Fernando Assis Pacheco
- A Bela do Bairro e Outros Poemas (1986)

VISTORiA


¨ À indiferença oponhamos o amor, à dúvida oponhamos a fé.
O céu tem ainda o azul radiante dos dias da mocidade; a natureza é ainda a bela insensível, que assiste radiosa e iluminada às nossas lágrimas eternas, que o vento enxuga num momento!
Contemplemos de mais alto a evolução dos ideais e a transformação das coisas.
Se na terra somos efémeros de uma hora, nunca se quebra a cadeia que se vai forjando, dos ideais belos que concebemos ao passar.
Soframos, tal é o nosso destino e quase o nosso dever, mas amemos, que é o meio de tornarmos fecunda para os outros a dor que acima de nós mesmos nos levanta, a dor que é inspiração de todo o bom, de todo o belo, que em nós há.
O pessimismo leva à abdicação da vontade, à própria negação do sofrimento, pela completa insensibilidade a que aspira, e que de vez em quando já começa a atingir.
Não vale a pena! Eis a divisa da nossa desolada geração!
Pois é necessário que, em contradição e em protesto a este lema egoístico, se levante das nossas entranhas de mães, dos nossos corações de mulheres, um grito de amor intenso, um grito de amor fecundante e poderoso.
Porque um dos defeitos da nossa quadra é este: depois de termos dado ao amor um lugar enorme, predominante, decisivo e tirânico, tendemos a cercear-lhe todos os direitos, a destruir-lhe todas as influências boas.
O nosso século, que por meio de radiante romantismo fez do amor o Deus pagão que foi na Renascença, hoje, pela escola científica do temperamento e do meio, vai fazer do amor um poder inconsciente, que, segundo as circunstâncias em que é chamado a actuar, é um órgão de reprodução animal, ou um elemento de corrupção dissolvente.
Reabilitemos o amor.
Façamos dele alguma coisa de mais ou de menos do que o estão fazendo os mestres da literatura contemporânea, fotógrafos, neste ponto, dos costumes decadentes da época.
Ele não é a suprema e última embriaguez embrutecedora em que a humanidade tende a adormecer, como essa literatura de sensualismo agonizante, parece querer demonstrar-nos; pelo contrário, ele, é a fonte da eterna juventude em que, os velhos, da velhice precoce deste século, da velhice que se traduz pelo excesso do pensamento e da sensação, podem ainda retemperar as forças exaustas; é dele que podem ainda partir as grandes iniciativas transformadoras, as poderosas e viris energias, os sonhos iluminados da virtude e do bem.
Maria Amália Vaz de Carvalho
 - Cartas a Luísa
(excerto)
     
TRAJECTÓRiA
 
Camargo Guarnieri

¯Mozart Camargo Guarnieri nasceu no dia 1 de fevereiro de 1907, na cidade de Tietê, no estado de São Paulo. Filho de músico, iniciou seus estudos de teoria musical aos 10 anos de idade com o professor Virgínio Dias, a quem dedicou Sonho de Artista, sua primeira composição.
Em 1923 a família mudou-se para São Paulo. A partir de 1924 Guarnieri passou a estudar piano com Sá Pereira e Ernani Braga. De 1926 a 1930 estudou composição e direção de orquestra com o italiano Lamberto Baldi.
Camargo Guarnieri começou a escrever música regularmente após a Semana de Arte Moderna, iniciando-se como compositor essencialmente brasileiro em 1928, aos 21 anos, quando compôs a Dança Brasileira e a Canção Sertaneja. Chegou a submeter essas duas obras a Mário de Andrade, então o mais importante intelectual da época, que tornou-se mestre de Guarnieri. Essa relação mestre-discípulo se alongou por muitos anos.
O maestro foi contratado em 1937 pelo Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo, dirigido, na época, por Mário de Andrade. Em 1938 recebeu uma viagem para a Europa do Conselho de Orientação Artística do Estado de São Paulo. Em Paris estudou contraponto, fuga, composição e estética musical com Charles Koechlin, regência de orquestra e de coros com François Rühlmann, maestro da Orquestra da Ópera de Paris na época, além de realizar uma audição de suas obras na série Revue Musicale, retornando ao Brasil em 1939, em decorrência da II Guerra Mundial.
Em 1942 fez sua primeira viagem aos Estados Unidos, onde realizou um concerto com a Orquestra League of Composers of New York e dirigiu a Orquestra Sinfônica de Boston a convite de Sergey Koussevitzky.
De 1955 a 1960 foi assessor técnico de assuntos musicais do Ministério da Educação e Cultura.
Durante toda sua vida Guarnieri acumulou prêmios e ocupou altos cargos no cenário da música nacional e internacional.
Diferenciando-se de seus antecessores e mesmo de contemporâneos, Camargo Guarnieri não veio da música européia para a brasileira, pelo contrário, iniciou-se já envolvido em música brasileira. Compôs vasta obra em todos os gêneros, atingindo um número de mais de setecentas peças.
Grande apreciador da música de Brahms, devoto de Bach, além de admirar Mozart de tal maneira que deixou de assinar seu primeiro nome em respeito ao mestre. Ficava furioso quando alguém o chamava de Mozart ou cometia o crime de colocar seu nome completo em um programa de concerto ou capa de disco.
Foi criador e diretor do Coral Paulistano, idealizou o 1º Festival de Campos do Jordão, foi diretor da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da USP desde a sua criação, em 1975, e membro fundador da Academia Brasileira de Música, da qual foi presidente.
Regeu as mais importantes orquestras estrangeiras. Foi membro do júri dos mais importantes concursos internacionais, além de ter sido agraciado com inúmeros prêmios, condecorações e medalhas, somando mais de cem títulos nacionais e estrangeiros, e ainda premiado em mais de 10 concursos nacionais e internacionais de composição.
Camargo Guarnieri faleceu em 13 de janeiro de 1993, aos 85 anos, em São Paulo, logo após ter sido agraciado com o Prêmio Gabriela Mistral, pela OEA (Washington), com o título de Maior Compositor Contemporâneo das Três Américas.
http://www.usp.br/osusp/maestro_camargo.html
          
BREVIÁRiO
 
¨ Xerefé edita Poemas do Conta-Gotas de João Pedro Mésseder; ilustrações de Ana Biscaia. IMAG.310-416-430-509-531-555

¯Warner edita em CD, sob chancela Swan Song, Physical Graffiti / 40th Anniversary De Luxe Edition por Led Zeppelin. IMAG.192


segunda-feira, fevereiro 15, 2016

Edição de Ano Teatral: 1890 - Estreias/Eventos

Lançado recentemente, o novo livreto da colecção “Teatro no Cordel” retoma a investigação de José de Matos-Cruz sobre a história do teatro nas Artes portuguesas, desta feita focada em produções realizadas em redor de 1890.

A 4ª edição na série “Anuário Teatral - Portugal - Século XIX,” pelo historiador, Ano Teatral: 1890 –  Estreias/Eventos estará em breve disponível online na editora Apenas Livros, tal como em livrarias especializadas, como a Fábula Urbis, em Lisboa.

domingo, fevereiro 14, 2016

IMAGINÁRiO #596

José de Matos-Cruz | 24 Janeiro 2017 | Edição Kafre | Ano XIV – Semanal – Fundado em 2004 

PRONTUÁRiO
 
EXPEDIÇÕES
«Nos tempos que mediaram entre o fim da Atlântida e das cidades luminosas, e o nascimento dos filhos de Aryas, houve uma era desconhecida, em que magníficos reinos se espalhavam pelo mundo, como mantos azuis sob as estrelas. Aí viveu Conan o Cimério, um gigante de cabelos negros e olhos frios, ladrão, sonhador, mercenário, sujeito a grandes melancolias e a grandes entusiasmos, que esmagou sob os seus pés os poderosos da Terra…» Assim narra Robert E. Howard em As Crónicas de Nemédia, sobre o seu herói - que apaixonaria sucessivas gerações, inspirando ainda múltiplos imaginários.
Artistas famosos, como Frank Frazetta por 1966, ilustraram esta saga exótica, aparecida em Weird Tales, um pulp na década de ’30. Com a passagem aos quadradinhos, a partir de 1970, coube - através da Marvel, sendo Roy Thomas o primordial guionista - a Barry Windsor-Smith, Neal Adams, Sal Buscema, Jim Steranko, Gil Kane, Berny Wrightson, Mike Kaluta, Al Williamson, Howard Chaykin, Frank Giacoia ou Tony De Zuniga.
A popularidade renovada pela exploração gráfica suscitou, em 1981, a saga fílmica Conan e os Bárbaros - produzida por Dino De Laurentiis, sobre argumento de Oliver Stone e John Milius, que dirigiu um impressionante Arnold Schwarzenegger. Estilizando a complexa psicologia de Conan e seus ideais primitivos, num desígnio vingador ou expiatório - como invencível lutador, escravo precário ou predador ousado. IMAG.67-301-372-396

CALENDÁRiO
 
¯1939-26NOV2015 - Beatriz da Conceição Mendes Lage, aliás Beatriz da Conceição: Fadista portuguesa - «Ficará para a história como a fadista do sentimento contido, do silêncio e da beleza do verso» (Alexandra Carita).

¢27NOV2015 - Museu Nacional dos Coches expõe Lisboa, o Que o Turista Deve Ver / What the Tourist Should See - ilustrações de Mário Linhares, sobre a obra de Fernando Pessoa (1888-1935). IMAG. 26-28-64-82-130-131-157-182-187-196-207-211-236-264-323-326-330-333-343-347-376-382-384-385-395-399-403-404-417-426-433-450-460-467-491-507-509-524-540-551-556-561-576-593

¢27NOV2015-28MAR2016 - Em Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian apresenta a exposição de pintura Wentworth-Fitzwilliam. Uma Colecção Inglesa.

01DEZ2015 - Em Windhoek, capital da Namíbia, a Arte Chocalheira (Chocalhos) é declarada Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente, pela UNESCO.

¸03DEZ2015 - Leopardo Filmes produziu, e estreia Cosmos de Andrzej Zulawski; com Sabine Azéma e Victoria Guerra.

03DEZ2015-02JAN2016 - Bedeteca da Amadora apresenta Antes do Livro - exposição sobre O Livro dos Dias de Diniz Conefrey.IMAG.289-301-325-332-377-395-430-448-504-534

¢03DEZ2015-03ABR2016 - Na Cidadela de Cascais, Museu da Presidência da República apresenta Cruzeiro Seixas: Sou Um Tipo Que Faz Coisas - exposição de objectos, pinturas e desenhos, da sua autoria e de alguns artistas seus contemporâneos que divulgou e deu a conhecer, nacionais e estrangeiros, como Paula Rego, Júlio Pomar, Mário Botas, Serge Poliakoff ou Karel Appel, sendo comissário Rui Manuel Almeida. IMAG.359-537

04-06DEZ2015 - Em Matosinhos, Exponor apresenta a segunda edição de Comic Con Portugal - megaevento cultural promovido por City, incluindo banda desenhada, literatura, cinema, televisão, videojogos, cosplay, anime e mangà. IMAG.544

¢04DEZ2015-25JAN2016 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação Luís I apresenta Sem Estilo - Modo Heterogéneo - exposição de pintura de Lourenço de Castro.
       
PARLATÓRiO

Brokeback Mountain
¸ Eu não vi esse filme, e não me interessa nada… Mas, acho que o John Wayne deve estar virar-se de raiva na sua sepultura!
Ernest Borgnine (2005)

VISTORiA

Serenata
¯Suaves imploram minhas canções
A ti, através da noite,
Onde é o bosque, ao fundo, além,
Amor, vem até mim!
Sussurram ramagens leves,
Esbeltas à luz do luar;
De traidores vultos o ouvido
Não temas, não, meu amor.
Ouves o trinado do rouxinol?
Ah! O seu cantar te implora,
O seu doce lamento ecoa,
Intercedendo por mim.
Do peito o ardor entende,
Conhece a dor do amor;
O cristal do seu gorjeio
O brando coração aquieta.
Deixa palpitar teu peito,
Ouve o meu canto, Amor!
Tremo de por ti aguardar!
Vem tornar-me feliz!
Franz Schubert
(Tradução do Lied Ständchen - excerto)
 

OBSERVATÓRiO

BDLP
Foi lançado recentemente BDLP # 5, da parceria Extratus/Olindomar. A antologia, que tem recebido várias menções a nível nacional e estrangeiro (i.e. Prémio Nacional de BD, Troféu Central Comics, Prémio HQ Mix e Prix de La BD Alternative), reúne autores de vários países de língua oficial portuguesa, com uma «riqueza multicultural (…) que tem permitido contacto com as várias realidades, abordagens gráficas e temas variados, que cada autor transmite.» Desta vez, as curtas são de André Diniz, Samanta Floor e Pedro Cirne (Brasil), Tché Gourgel e Horácio Dá Mesquita (Angola), João Amaral, Rita Vilela e João Mascarenhas (Portugal), e eu próprio.
Daniel Maia
27NOV2015 - http://danielmaia-art.blogspot.pt/
IMAG.452-497-538
        
MEMÓRiA
 
®24JAN1917-2012 - Ermes Effron Borgnino, aliás Ernest Borgnine: Actor americano de teatro e cinema, distinguido com um Oscar por Marty (1955) - «Onde estão grandes intérpretes como os de outrora - Spencer Tracy, Gary Cooper ou Edward G. Robinson? Um dia, ao falar com Lee Marvin, chegámos à conclusão que éramos os últimos de uma fornalha. Os últimos dos que tiveram oportunidade de contracenar com artistas tão extraordinários. Isso faz-me sentir muito humilde. Sinto que tenho de trabalhar com muito rigor e exigência». IMAG.117-313-417

¯ 25JAN1927-1994 - Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, aliás Tom Jobim: Compositor, maestro, pianista e cantor brasileiro - «É preciso sobreviver para atingir a idade da realização, para ser feliz. Não vale sair antes de o jogo terminar». IMAG.282-337-464-494

¯ 28JAN1887-1982 - Arthur Rubinstein: Pianista polaco, naturalizado americano - «Não existe fórmula para o sucesso, excepto talvez, pela aceitação incondicional da vida e do que ela nos traz… Estar vivo, ser capaz de ver, andar, ter casas, ouvir música, admirar pinturas, tudo é um milagre. Eu adoptei a técnica de viver a vida, milagre a milagre». IMAG.265-399

¯ 31JAN1797-1828 - Franz Peter Schubert: Compositor austríaco: «Ao criar, procuro adornar a minha imaginação com tudo o que me é possível». IMAG.116-125-203-209-223-285-310-341-366-414-447-495-497-589
                  
BREVIÁRiO

¨Companhia das Letras edita O Irmão Alemão de Chico Buarque. IMAG.74-103-166-258
 
MMMNNNRRRG edita, com The Inspector Cheese Adventures, Break Dance de André Ruivo. IMAG.375-378-390-405-407-416-430-435

¨ Centro Atlântico edita Lisboa, o Que o Turista Deve Ver / What the Tourist Should See de Fernando Pessoa (1888-1935); ilustrações de Mário Linhares.
IMAG. 26-28-64-82-130-131-157-182-187-196-207-211-236-264-323-326-330-333-343-347-376-382-384-385-395-399-403-404-417-426-433-450-460-467-491-507-509-524-540-551-556-561-576-593

¨Quetzal edita O Estranhíssimo Colosso - Biografia de Agostinho da Silva (1906-1994) de António Cândido Franco. IMAG.20-71-144-158-461-550
         
EXTRAORDINÁRiO 

OS ALTERNATIVOS – Folhetim Aperiódico

QUANDO ME ENTERNEÇO EM VÃO, DESAPAREÇO – 2

Adão Malfeito fitou a Chiba, de soslaio.
- Ora, a pensar morreu um burro... E, como tu disseste, nós ainda somos gente! - contestou-lhe, cortante.
Posto isto, desvaneceu-se a hipótese dum epílogo romântico. Varina e catraeiro ficaram ambos lerdos, à beira Tejo a mirar as marés, ruminando em seco. Honestos de labuta - bastava reparar nas solas dos pés d’ela, nos calos das mãos d’ele. Ineptos de coração - respiravam o mesmo ar, mas o sangue tremia-lhes num aquece e arrefece a diferente temperatura.
– Continua   


sábado, fevereiro 06, 2016

IMAGINÁRiO #595

José de Matos-Cruz | 16 Janeiro 2017 | Edição Kafre | Ano XIV – Semanal – Fundado em 2004 

PRONTUÁRiO
 
HUMORES
É conhecida a fábula sobre um congresso de humoristas, em que o britânico apenas reagiu trinta minutos depois de um latino ter contado uma anedota. Não tanto por ser lento em detectar a graça, justificou-se, mas porque nessa retenção do riso é que residia a sua própria piada… O cineasta Terry Jones evocou-a em 1983, embaraçado pelos jornalistas de Hollywood, onde fora tratar da co-produção O Sentido da Vida / The Meaning of Life, com os Monty Python. O problema era: cada país tem específicos alvos e modelos de humor; no inglês, há um refinado cinismo, que pode tornar-se cáustico e violento. Pairava, pois, a questão de saber como iria Terry Jones - realizador (e co-argumentista) com Terry Gilliam - conciliar essa sofisticação britânica, com a espontaneidade dos ianques. Tendo recordado o tal congresso, Terry Jones concluía: «Depois de ver uns quantos filmes americanos, estou certo de que os farei soltar umas gargalhadas!». IMAG.62-419-431-504



CALENDÁRiO
 
µ16OUT-13DEZ2015 - Em Lisboa, Fundação EDP apresenta, no Museu da Electricidade, One’s Own Arena - exposição de fotografia de José Pedro Cortes, sendo comissário Nuno Crespo. IMAG.297-516

23OUT2015-22JAN2016 - Em Lisboa, Museu Nacional de História Natural e da Ciência apresenta O Palácio da Memória - exposição de João Ó, sobre a Era dos Descobrimentos; produção de Impromptu Projects com Galeria Zé dos Bois, sendo curador Natxo Checa.

¢13NOV2015-10ABR2016 - Em Castelo Branco, Centro de Cultura Contemporânea expõe Pintura Modernista Na Colecção Millennium BCP, sendo curadora Raquel Henriques da Silva.

¸19NOV2015 - Midas Filmes estreia Montanha de João Salaviza; com David Mourato e Maria João Pinho. IMAG.269-409


20NOV2015 - Na Biblioteca de S. Domingos de Rana, Câmara Municipal de Cascais inaugura a Bedeteca José de Matos-Cruz.

¢21NOV2015-03ABR2016 - Em Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga/MNAA expõe Colección Masaveu - Grandes Mestres da Pintura Espanhola.

O23NOV-19DEZ2015 - Em Lisboa, Palácio da Independência expõe Resistência e Liberdade - Independências Na Arte das Lusofonias; organização da Casa da Liberdade - Mário Cesariny com o Colectivo Multimédia Perve, a convite da Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

¸26NOV2015 - NOS Audiovisuais estreia O Leão da Estrela de Leonel Vieira; com Miguel Guilherme e Dânia Neto. IMAG.19-30-168-180-223-579

¢27NOV2015-28FEV2016 - No Centro Cultural de Cascais, Fundação Luís I apresenta Fragmentos - exposição de pintura e desenho de Raúl Perez.
               
PARLATÓRiO

¨ Os americanos são um povo tolerante… Conseguem aceitar que alguém seja alcoólatra, drogado, espancador de mulheres, e até mesmo jornalista… Mas, se um homem for incapaz de mandar, então, é porque há algo de errado com ele.
Art Buchwald
(1968)




VISTORiA

Lisboa sob névoa

¨Na névoa, a cidade, ébria
oscila, tomba.
Informes, as casas
perdem o lugar e o dia.
Cravadas no nada,
as paredes são menires,
pedras antigas vagas
sem princípio, sem fim.
Fiama Hasse Pais Brandão

COMENTÁRiO
 
Raymond Roussel Grito ou Canto?
¨Com Raymond Roussel, um primeiro paradoxo poderia ser formulado: Como explicar que um escritor, no avesso do que se chamaria de um bom escritor, tenha sua obra reconhecida como primordial, nessa entrada do século XX francês, e seja capaz de exercer tamanho fascínio sobre gerações inteiras de escritores e artistas? De Marcel Duchamp (que assistira à adaptação teatral de Impressions d'Afrique, recebendo ali uma parte do impulso para o seu Grande Vidro), ao Oulipo (com suas oficinas de escrita sob restrição), passando por grandes autores cuja obra foi marcada por ele, como Michel Leiris, Georges Perec e Leonardo Sciascia, a leitura e a vida de Roussel impressionam. Sem ele, talvez não se pudessem ler tão bem Proust, Joyce ou Mallarmé com suas «subdivisões prismáticas da ideia», nem compreender o vazio que a literatura instala na linguagem. Roussel tem, no entanto, uma prosa que passa da monotonia mais descritiva e monocórdica para engenhosos emaranhados narrativos, tudo detalhadamente servido em uma cacofonia no limite do legível. De uma frase inicial, decomposta em expressões homófonas, é que nascem os enredos. A armadura da obra é seu ponto de partida, a trama é construída mecanicamente, escolhe-se ao acaso: um calembur, um acalanto, um verso de Victor Hugo…
Ana Maria Amorim de Alencar
             
MEMÓRiA


¸ 17JAN1867-1939 - Karl Lämmle, aliás Carl Laemmle, aliás Carl Lemmle: Produtor do cinema americano, nascido na Alemanha, fundador dos estúdios Universal (The Universal Film Manufacturing Company - 1912). IMAG.23

¨ 1925-17JAN2007 - Arthur Buchwald, aliás Art Buchwald: Colunista e humorista americano - «Sendo a pessoa que sou, quero que se lembrem de mim pelo humor, pelo facto de os ter feito rir. Também quero que me recordem como um sujeito simpático - faz parte da fantasia». IMAG.129-535

¨ 1938-19JAN2007 - Fiama Hasse Pais Brandão: Escritora portuguesa, poetisa e ficcionista, dramaturga, ensaísta e tradutora - «A pedra crê: esta / criança é de pedra. / Não crê que veio do ventre / e que um cordão de sangue / a liga à Natureza.». IMAG.72-98-131-191-254-361

¨ 20JAN1877-1933 - Raymond Roussel: Escritor francês, precursor do surrealismo, autor de Impressões da África (1910) e Locus Solus (1914) - «Influenciou uma plêiade de artistas ao longo de um século» (João Fernandes). IMAG.426
       
GALERi

One’s Own Arena
µJosé Pedro Cortes usa a fotografia para mostrar o lado quotidiano da vida, o casual, o banal. Interessa-lhe o estudo do corpo anónimo, tanto da mulher como do homem, que retrata nesta série pela primeira vez, e os limites e a tensão da relação masculino / feminino. Aprofundou também o estudo dos espaços interiores onde insere os modelos, os objectos e os seus materiais.  
José Pedro Cortes regressou este ano à cidade de Toyama no Japão. Anteriormente, em 2012, tinha sido convidado a passar seis semanas a fotografar nesta cidade, no âmbito do projecto European Eyes on Japan.
Entre abril e maio deste ano, decidiu voltar e procurar o mesmo tipo de cenários e personagens: homens e mulheres vulgares, sem nenhuma história particular ou marca social que os distinguisse de todos os outros que encontrava na rua.
O resultado é uma seleção de 39 fotografias que retratam de forma intensa personagens anónimas, ruas, objectos que surgem do olhar contemporâneo do artista.
«São umas ruas, seis ou sete pessoas, um restaurante, o mesmo quarto de hotel e pouco mais. Tudo isto num país muito diferente, com dificuldade de comunicação. Mas é a rotina de voltar às pessoas e aos sítios e a forma frágil e intensa com que as imagens foram feitas que me faz pensar em Toyama como um território» (José Pedro Cortes).
           
BREVIÁRiO
 
Pato Lógico edita Eu Quero a Minha Cabeça! de António Jorge Gonçalves. IMAG.19-169-183-195-227-252-292-296-310-342-356-430-433-498-521-551
 

¯Distrijazz edita em CD, sob chancela ECM, Serguei Prokofiev [1891-1953]: Visions Fugitives, [Nikolai] Medtner [1880-1951]: Fairy Tale in F Minor, [Frédéric] Chopin [1810-1849]: Sonata N.º 3 pela pianista Anna Gourari. IMAG.92-117-191-203-247-265-284-298-319-325-375-380-389-409-412-446-462-517-533-549-572
           
EXTRAORDINÁRiO

OS ALTERNATIVOS – Folhetim Aperiódico

QUANDO ME ENTERNEÇO EM VÃO, DESAPAREÇO – 1

8 de Maio de 1923
- Tu já pensaste, ó Petisco, que, se nós os dois quisermos, a gente poderia entender-se?! - questionou-o Benigna da Purificação, num assomo de extraordinária ternura.
– Continua